Empresa liderada pela família Nishimura deixa boas lições quando o assunto é sucessão empresarial

 

Não existe uma fórmula para a gestão de sucesso, afinal, cada empresa vivencia uma realidade, tem características próprias e anseia objetivos variados.

Quando o assunto é empresas familiares, adiciona-se uma boa pitada de complexidade devido ao relacionamento consanguíneo entre os membros da família e a necessidade de manter o tom profissional da gestão.

A partir de minha ampla experiência no cenário corporativo, como consultor com foco em empresas familiares à frente da MORCONE Consultoria Empresarial e como conselheiro consultivo, auxiliando empresas de todos os segmentos e portes no caminho da governança corporativa estruturada e ESG, hoje trago o case inspirador do Grupo Jacto que já está se planejando para a quarta geração!

Liderança inspiradora, metodologia Kaizen, capacidade de aprendizado constante – Grupo Jacto tem muito a ensinar!

O Grupo Jacto, fundado por Shunji Nishimura, está há mais de setenta anos no mercado e ao longo deste tempo enfrentou dilemas, se reinventou diante de adversidades e se mantém como uma referência às empresas no Brasil e no mundo.

Fundada em 1948 no interior de São Paulo, o grupo Jacto rende inúmeros aprendizados quando o assunto é sucessão familiar estruturada,  governança corporativa (GC), relacionamento saudável entre membros na família empresária, gestão de pessoas, contribuição social, entre muitos outros.

A Jacto está presente nos cinco continentes e é composta por seis empresas que atuam nos segmentos: agrícola, fundição, tecnologias de aplicação de polímeros, transporte e logística, movimentação e armazenagem, equipamento para limpeza e médico-hospitalar. Este é um case que merece destaque, vamos aos principais ensinamentos do Grupo Jacto!

Profissionalização desde a fundação

Os Nishimura são referência quanto ao desenvolvimento de boas práticas de governança em empresas familiares e desde a sua fundação já viabilizou a profissionalização de suas atividades no mercado.

A estruturação da governança corporativa era o foco dos cinco irmãos a fim de pacificar suas relações. O primeiro projeto de GC levou dois anos para uma primeira versão.

O Conselho foi instituído logo depois pela segunda geração da empresa, que foi o pontapé inicial para a GC atual. Nos anos 2000, uma década após a fundação, o Grupo Jacto criou o Conselho Holding, uma etapa que tratava de temas de família e patrimônio, de forma estruturada e compartilhada, já incluindo membros da terceira geração.

Muitos gestores falham quando pensam “criamos o negócio e futuramente profissionalizamos a gestão”. A família Nishimura ensina que se deve pensar em governança corporativa desde a criação do negócio e ter disposição de sobra para revisitar planos, repensar estruturas e planejar a próxima geração que irá perpetuar o legado da organização.

Planejamento sucessório como prioridade

Quantas empresas familiares brasileiras dão a devida atenção ao planejamento sucessório estruturado e à importância de delimitar as fronteiras entre família e empresa?

Sabemos que pouquíssimas empresas familiares sobrevivem à segunda geração e o Grupo Jacto já se prepara para a quarta! E a resposta para a longevidade da empresa no mercado está justamente no verbo “preparar”. A empresa mesmo consolidada no mercado, não para de planejar, de se preparar, de despender energia para uma gestão eficaz e saudável.

O planejamento sucessório estruturado está no topo de prioridades do Grupo Jacto porque a organização entende que se quiser ir além precisa aprender a não adiar projetos complexos, mas fundamentais como é o caso da sucessão empresarial estruturada.

Liderança invisível

Integrando a terceira geração do Grupo Jacto, Alessandra Nishimura é membro do Conselho Holding e chegou a relatar que de forma natural, seus pais estimularam a terceira geração para que cada um buscasse sua vocação e pensar na sucessão era um exercício constante.

Atualmente, ela é coordenadora dos programas de formação e integração, sendo a responsável por organizar os encontros da família e por cuidar da governança familiar.

Este breve resumo de sua trajetória evidencia o conceito de liderança invisível, ou seja, ela coloca “luz” sobre o coletivo, trazendo segurança e ajudando na resolução de conflitos para que a empresa continue prosperando e expandindo.

Em um contexto em que as lideranças infelizmente buscam mais holofotes do que de fato influenciam positivamente pessoas, o conceito de liderança invisível emerge como algo fundamental para empresas que não desejam apenas “sobreviver” no mercado, mas ir além, inspirando pessoas e novos modelos de negócio.

Diversidade geracional

Outra característica marcante na Jacto é a diversidade geracional nos conselhos. Profissionais seniores e profissionais que estão iniciando a carreira dialogam em uma mesma mesa, existe respeito entre as gerações e a valorização de cada pessoa com suas particularidades, talentos e experiência.

Mara Ramos, jornalista e escritora, responsável por escrever o livro que conta as grandes transformações ocorridas na Jacto (A Profissionalização da Empresa Familiar, a trajetória de Shiro Nishimura na presidência da Jacto), conta que em determinado momento, Shiro, ao assumir a Jacto, estava diante de um grande dilema: os principais executivos estavam prestes a se aposentar e não havia preparação do segundo homem. Sendo assim, foi orientado por uma consultoria externa que o melhor caminho era dispensar os antigos e trazer novas pessoas, mas para Shiro, essa não era uma opção:

“Essas pessoas nos ajudaram a chegar até aqui, eu não quero mudar ‘de’ pessoas, quero mudar ‘as’ pessoas. Se eu que era boiadeiro, consegui me tornar presidente da empresa, eles também conseguem.”

Foi assim que Shiro tirou as pessoas da zona de conforto, deu a elas autonomia e conseguiu promover grandes mudanças no início dos anos 2000 que impactam a Jacto até hoje.

Aqui também vale a reflexão de que a Jacto lidera com base na metodologia Kaizen, visando a melhoria contínua dos processos, com a ideia de um “passo de cada vez”, afinal, pequenas mudanças positivas e constantes, trazem melhorias significativas.

Coragem para enfrentar as dificuldades relacionais

Foram muitos os desafios enfrentados pela família Nishimura ao longo de três gerações.

Havia conflitos entre os membros da segunda geração, o que trouxe um estado de distanciamento emocional já que o negócio havia se tornado para os membros um lugar de “confusão”.

A terceira geração, considerando as falhas passadas, tratou de consertar os trilhos por meio de encontros frequentes para o alinhamento de ideias, compreensão de seus papéis e respeito aos relacionamentos familiares.

Tratar relacionamentos demanda energia e principalmente a modalidade de empresa familiar enfrenta esse contexto. É fundamental que se tenha programas voltados ao cuidado dos relacionamentos, gerando alinhamento, pacificação e segurança quanto ao papel de cada um e como podem melhor contribuir para o futuro da companhia.

Sustentabilidade desde sempre

E a empresa é ESG desde a sua cultura. Criou o programa Árvore da Cidadania, existente desde 2008 para acolher iniciativas da comunidade em geral, sendo responsável por ajudar os voluntários a transformar suas iniciativas em projetos que possam ser desenvolvidos de maneira sustentável, gerando resultados de longo prazo.

Recorrentemente trago reflexões sobre o ESG e que iniciativas sustentáveis podem ser desenvolvidas por empresas de qualquer segmento e porte, respeitando sua realidade, capacidade atual de investimento, etc. É possível impactar positivamente a sociedade, o meio ambiente e as pessoas que trabalham na sua empresa de maneiras acessíveis e que geram valor.

Planejamento do primeiro centenário

A empresa com setenta anos de história não para de crescer e já projeta seu primeiro centenário.

O Grupo Jacto é sinônimo de sucesso, longevidade, perenidade e  excelente reputação. É um exemplo de que a constância e a disposição nas pequenas ações são capazes de criar um futuro grandioso.

Cases como este são inspiradores não apenas às empresas familiares. Ouse ir além e, para isso, faça o simples que estiver à disposição. Ouça e valorize pessoas, esteja sempre aberto a aprender e a mudar, tenha metas alcançáveis e coloque energia para que relacionamentos se fortaleçam e prosperem.

 

Gostou do conteúdo? Compartilhe. Lembre-se que na MORCONE Consultoria Empresarial pensamos em cada parte do seu negócio, utilizando metodologias e práticas inteligentes. Acompanhe o trabalho do consultor, Carlos Moreira, também no LinkedIn.

Veja também:

ESG em PMEs é necessário? Sim, com certeza!

Gestão financeira sustentável é um dos grandes desafios entre as empresas brasileiras