Toda organização almeja a expansão, mas como planejá-la da maneira correta? Ao elaborar a estratégia de crescimento, o que considerar?

A estratégia de crescimento consiste no planejamento que uma empresa faz para que consiga expandir suas operações e, consequentemente, para que possa se tornar mais lucrativa para seus acionistas e mais eficiente naquilo que entrega ao mercado.

Estratégias assertivas geram resultados que são capazes de aumentar o fluxo de caixa do negócio em longo prazo, ou seja, pode diminuir a distribuição de dividendos para que possa ter mais recursos para reinvestir em suas próprias atividades.

Com ampla experiência no mercado corporativo, como consultor à frente da MORCONE Consultoria Empresarial, conselheiro e responsável por implantar governança corporativa e padrões ESG em empresas de diversos segmentos e portes, hoje trago reflexões sobre a criação de estratégias de crescimento.

Estratégia de crescimento empresarial – por onde começar?

Toda empresa quando questionada sobre seu futuro no mercado irá mencionar que deseja crescer ou escalar em curto prazo, mas este objetivo envolve inúmeras variáveis que passam por pessoas e processos.

O crescimento demanda pilares sólidos que sirvam de base para a consolidação da organização/marca.

Investir em estratégias de crescimento resulta em importantes benefícios, dentre eles:

Melhores oportunidades para as pessoas

Todo crescimento consistente começa de dentro para fora e, sem dúvidas, as pessoas representam uma parte fundamental no processo e tendem a se tornar ainda mais motivadas (pessoal e profissionalmente) quando percebem o movimento da empresa em desejar avançar.

O ambiente de trabalho tende a se tornar mais colaborativo, as pessoas sentem-se pertencentes e todo o ecossistema organizacional caminha rumo a um propósito em comum.

As melhorias não ocorrem apenas quanto ao crescimento no mercado, mas também refletem sobre a ampliação de oportunidades e valorização de talentos entre as equipes.

Lucratividade

É um benefício que move a criação estratégica e o desejo da escalabilidade nos negócios, mas a lucratividade aqui reúne significados além do retorno financeiro, vale a reflexão do valor agregado sobre os produtos/serviços também resultado do bom trabalho dos profissionais.

Quando se fala em crescimento empresarial, o que também se espera é a lucratividade contínua por meio da sustentabilidade no gerenciamento do negócio e em seus processos operacionais.

Mas o interessante a se considerar quando se fala em lucratividade na estratégia de crescimento é que quando o foco da organização está em sua constante evolução, melhor será seu fluxo de caixa sem que necessariamente o objetivo inicial seja este. Neste ponto destaco o ESG e a importância de pensar na atuação no mercado e sociedade além dos relatórios de ganhos.

Para elaborar estratégia de crescimento bem-sucedida é essencial seguir uma jornada que engloba importantes passos:

Planejamento claro

Ter um planejamento claro é essencial para dar ao negócio a direção para que todos os setores envolvidos (financeiro, marketing, vendas, etc.) possam seguir a fim de alcançar os objetivos.

Investimento nas pessoas

Se organizações são formadas por pessoas, obviamente que o sucesso da implementação de quaisquer estratégias passa pelas equipes.

Uma pesquisa de clima organizacional é fundamental para que se tenha um panorama do nível de engajamento e motivação entre os profissionais. Sem capital humano, o processo de transformação, seja ele qual for, não poderá ser concluído com sucesso.

Enxergue seu diferencial

Onde está o diferencial da sua empresa? No produto ou serviço, nos talentos, nos processos, etc.? Sem autoconhecimento a criação estratégica fica comprometida.

Neste ponto é fundamental, inclusive, ter o apoio de especialistas externos que possam auxiliar a alta gestão na avaliação de pontos fortes e fracos; na implementação e fortalecimento de ações; na melhoria nos relacionamentos entre os diversos setores da empresa, etc.

Liderança preparada

É fundamental que se tenha uma liderança preparada para conduzir pessoas e processos.

Vale salientar o quanto a gestão na estratégia de crescimento é desafiadora, considerando uma série de variáveis como a realidade do mercado, as falhas processuais, a interação entre as equipes, etc.

É parte da atuação do líder inspirar pessoas, ressaltar suas habilidades e apontar pontos de melhorias, além é claro, da visão e maturidade para estabelecer figuras de liderança à frente de cada time na empresa.

Quem é o público do seu negócio?

Infelizmente esse é um erro comum que ocorre em milhares de empresas brasileiras. É essencial compreender sobre os hábitos, desejos e necessidades de todos os públicos relacionados ao negócio.

Quais as demandas de consumo e como isso se relaciona diretamente com as necessidades em comum de determinado público?

Crescer estrategicamente precisa passar pela governança corporativa

Tem se tornado cada vez mais comum entre organizações ao redor do mundo o cargo do Head of Growth, responsável pelo desenvolvimento e implementação de uma estratégia eficaz.

Mas seja qual for o direcionamento para a estratégia de crescimento da empresa, a governança corporativa estruturada é fundamental.

O especialista em Empreendedorismo e Inovação, Clovis Tavares, define a governança corporativa como um sistema essencial para colocar a “casa em ordem” em uma organização, por meio de princípios, regras, valores e processos fundamentados nas boas práticas, de maneira que o negócio possa seguir adiante com ética, qualidade, segurança e prosperidade.

E quando falamos em estratégia de crescimento é fundamental destacar a governança estruturada e o papel dos conselhos consultivo e de administração para o processo de orientação aos gestores e a todos os departamentos envolvidos na empresa.

Estamos na era ESG em que as organizações são desafiadas a vivenciarem seus princípios, valores, propósito e cultura de dentro de fora.

Verdade é que, em grande parte dos casos, o fortalecimento da governança corporativa e implementação do padrão ESG estão mais ligados inicialmente à própria estratégia de crescimento vindo depois de um movimento de expansão e, embora não seja o ideal, ainda assim é possível se organizar entre demandas e prioridades relacionadas aos temas ao longo do caminho.

Mas fica o alerta para que a governança e o ESG não sejam apenas uma vivência superficial e estratégica, mas expressão cultural do negócio.

A atuação autônoma dos conselheiros no direcionamento às organizações é ingrediente indispensável para que a organização possa vivenciar a escalabilidade sem perder de vista sua reputação e propósito.

O quanto sua empresa deseja crescer e o quanto está disposta a mudar internamente? O quanto sua empresa deseja evoluir no mercado e o quanto de recursos e talentos está disposta a engajar no processo?

Sua organização está planejando crescer? Sendo assim, tem uma governança estruturada e já tem evoluído na prática ESG em todos os pilares?

 

Gostou do conteúdo? Compartilhe. Lembre-se que na MORCONE Consultoria Empresarial pensamos em cada parte do seu negócio, utilizando metodologias e práticas inteligentes. Acompanhe o trabalho do consultor, Carlos Moreira, também no LinkedIn.

Veja também:

Estudo mostra que mais de 60% das PMEs no Brasil se consideram sustentáveis – será que são de fato?

Gestão financeira sustentável é um dos grandes desafios entre as empresas brasileiras