Estamos em um cenário de pós-pandemia e de uma economia incerta, cujo comportamento no Brasil precisará ser acompanhado principalmente devido à recente eleição presidencial.

Porém, quando se trata de gestão empresarial, algumas coisas não mudam, como a importância do bom gerenciamento do fluxo de caixa em cenários de crise.

Com ampla experiência no mercado corporativo e à frente da MORCONE Consultoria Empresarial, auxiliando empresas de diferentes portes e segmentos a recuperarem a saúde financeira em suas operações, hoje quero falar sobre o fluxo de caixa e por que sem seu bom gerenciamento tantos problemas podem surgir.

Sem gestão de fluxo de caixa, não é possível ter uma empresa sustentável no mercado

Na administração de uma empresa, o gerenciamento do fluxo de caixa é uma das atividades mais importantes, mas não costuma ser uma tarefa fácil para muitos gestores.

Um bom planejamento de caixa é a condição primordial para colocar as finanças em dia, evitando crise de liquidez, porque se uma empresa não tem recursos financeiros e não consegue realizar novos financiamentos, isso compromete a sua permanência no mercado.

Esse é um problema que costuma ser recorrente entre pequenos e médios negócios que enfrentam problemas com o gerenciamento do fluxo de caixa que envolve desde o não pagamento de seus clientes a despesas que não estavam previstas.

Todos os valores que entram e saem do caixa do negócio precisam ser controlados para que o empreendedor tenha uma visão do presente e futuro do saldo disponível, ou seja, ter esse controle é fundamental para tomadas de decisão estratégicas.

Ter uma boa gestão do fluxo de caixa é importante para que o gestor saiba o quão necessário seria obter linhas de crédito para manter a empresa equilibrada financeiramente, com um capital de giro adequado para novos investimentos ou emergências que possam surgir.

Dentre os fatores que podem levar a problemas no fluxo de caixa, estão:

  • Desconhecimento das fontes de receita;
  • Projeções financeiras insuficientes;
  • Atuar com um modelo de negócio excessivamente arriscado;
  • Clientes inadimplentes;
  • Oferta de produtos ou serviços a uma margem de lucro muito baixa;

Entre outros.

Dicas práticas para equilibrar o fluxo de caixa em cenários desafiadores

Não misture finanças pessoais com as da empresa

Este é um erro primário entre os empresários e ocasiona em grande risco ao controle financeiro da empresa, já que atua “mascarando” as finanças, fazendo com que o gestor não saiba ao certo o valor real que tem em caixa.

Com as receitas misturadas, fica impossível analisar a viabilidade econômico-financeira do negócio, assim como fazer ajustes nas despesas ou em estratégias de venda para atrair os clientes.

Tenha disciplina na atualização do fluxo de caixa diariamente

Muitos empresários têm o hábito de avaliar o fluxo de caixa apenas no fim do mês, o que pode levar a surpresas desagradáveis, ainda mais em um cenário de incertezas da atual economia.

A atualização diária do fluxo de caixa é muito importante e não se deve deixar essa atividade para depois, é preciso ter uma disciplina e contar com bons recursos tecnológicos como softwares e profissionais que possam auxiliar.

Categorize as contas da empresa

Muitas empresas encontram problemas quando não têm os seus gastos e despesas divididos, ou quando não conseguem acompanhar a evolução no processo.

As entradas e saídas costumam se diferenciar entre os gastos, por isso, a utilização de planilhas ou de softwares específicos para a realização deste tipo de controle é fundamental. A categorização ajuda o empresário na tomada de decisões, assim como no planejamento de cotas e otimização de recursos para cada categoria.

Não registre valores que ainda não entraram

Muitos empreendedores cometem o grave erro de registrar valores antes de terem entrado no caixa e isso é muito perigoso, afinal, o resultado precisa mostrar a situação real do negócio com base nos recebimentos já ocorridos.

E aí você pode pensar: e quanto aos pagamentos parcelados? A atualização deve acontecer a cada parcela recebida. Aliás, vendas a prazo e inadimplência afetam diretamente a saúde financeira do negócio.

É preciso contar com uma reserva financeira

A reserva financeira é essencial porque nunca se sabe quais serão os imprevistos, dessa forma, evita que o negócio tenha que recorrer a empréstimos e, até mesmo, em casos mais graves, que feche as suas portas.

Use o fluxo de caixa como ferramenta de gestão

O fluxo de caixa permite ao empresário que consiga se planejar a curto e longo prazo, além disso, auxilia-o a realizar comparações de despesas e receitas, analisando o comportamento das finanças da empresa.

É a partir do fluxo de caixa que importantes decisões podem ser tomadas como saber se existem recursos suficientes para a realização de investimentos, se será necessário maior capital de giro, etc.

Ao identificar a necessidade de crédito, por exemplo, nem sempre será necessário recorrer a uma linha de crédito, pois uma redução ou corte de despesas já poderá ser o suficiente.

Recapitulando, o fluxo de caixa permite avaliar:

  • Saldo do capital de giro;
  • Saldo para possíveis investimentos de curto e longo prazo;
  • Saldo negativo;
  • Despesas fixas e variáveis pendentes e já pagas.

É fundamental garantir o controle financeiro e o fluxo de caixa é um dos instrumentos de gestão mais importantes para o controle total das finanças.

Em um cenário de incertezas, ter o controle financeiro permite maior efetividade ao planejar ações futuras para manter a sustentabilidade do negócio no mercado.

Quando a empresa se sente perdida no processo, procurar por ajuda especializada é o recomendado, afinal, sem saúde financeira, nenhum negócio se sustenta por muito tempo e será necessário corrigir a rota.

 

Gostou do conteúdo? Compartilhe. Lembre-se que na MORCONE Consultoria Empresarial pensamos em cada parte do seu negócio, utilizando metodologias e práticas inteligentes.

Veja também:

Fusões e aquisições em empresas familiares – Existe o momento certo?

Pró-labore ou dividendos – Como sócios podem ser remunerados na empresa familiar?