Algumas práticas são essenciais em uma empresa, ainda que sejam encaradas como burocráticas ou como cumprimento das obrigações fiscais e, entre essas práticas, está a gestão de ativos imobilizados.

Com ampla experiência com mercado corporativo e à frente da MORCONE Consultoria Empresarial, auxiliando empresas de diferentes segmentos e portes a trilharem um caminho saudável e de lucratividade do mercado, hoje o artigo é sobre o que são ativos imobilizados e como é feita sua gestão.

Gestão de ativos imobilizados – entenda a dinâmica

Se você é um empresário iniciante que abriu um negócio, mas ainda está buscando compreender melhor as dinâmicas administrativas que envolvem a gestão, esse artigo é para você. Mas se você é um gestor experiente, essas orientações também podem ser úteis, afinal, sempre existem fatores que podem ser melhorados em uma empresa.

A gestão de ativos imobilizados é um processo de conhecimento e monitoramento do patrimônio da empresa. Como exemplo de ativos imobilizados, temos: prédios, instalações, máquinas e equipamentos, imobiliário, entre outros.

Já de acordo com a Lei nº 11.638/2007, ativo imobilizado são todos os bens que têm a finalidade da manutenção da execução das atividades de uma empresa em operações que envolvem benefícios, riscos e controles desses itens.

A gestão de ativos está relacionada a mapear quais são os ativos de uma empresa. O valor monetário deles é analisado, assim como o centro de custo relacionado e então é calculada a depreciação de bens.

Você também já pode ter ouvido falar em Ativos de Capital ou Bens de Capital, saiba que é o mesmo que ativos imobilizados.

O ativo é dividido entre circulante e não circulante.

Ativo circulante – Está relacionado a todos os bens ou direitos que serão realizados em curto prazo, ou seja, até o fim do ano de exercício contábil da empresa.

Ativo não circulante – Trata-se de todos os itens do ativo que seriam agrupados para aplicação em longo prazo.

Por meio dessa pequena explicação, os ativos imobilizados em uma empresa estão localizados no não circulante, porque é composto pelos bens utilizados para a manutenção das atividades do dia a dia da empresa, além disso, possui pouca rotatividade de entrada e saída do negócio.

Por que realizar o controle/gestão de ativos imobilizados?

A área contábil de uma empresa é essencial e muitos empreendedores se prejudicam pela falta de conhecimento sobre ativos imobilizados e falta de controle patrimonial. Quando se tem uma boa gestão, isso influencia na tomada de decisões de uma empresa como investimentos ou planos de expansão.

A gestão de ativos imobilizados em uma empresa demanda um sistema de gestão capaz de seguir normas que irão facilitar e organizar da melhor maneira, procedimentos administrativos, como: realização de inventários, cálculos e atualizações quanto à depreciação, valores de reposição, entre outros fatores.

Também se trata de um importante recurso para combater fraudes e dentre as principais vantagens da realização desse controle, estão:

  • Ajuda a evitar investimentos desnecessários;
  • É importante em casos de sucessão, fusão ou incorporação;
  • Confere informações que ajudam a empresa a ter um panorama geral de sua administração;
  • Auxilia no caso de cumprir com exigências com a finalidade de adquirir crédito.

Muitos empreendedores acreditam que a gestão de ativos imobilizados está relacionada unicamente ao controle patrimonial, mas não se trata apenas de dar valor a um bem, mas de saber o quanto de vida útil oferece. Em muitos casos, é recomendado contratar um serviço especializado para a gestão desses ativos e assim é possível conectar a contabilidade à manutenção.

Ter essa gestão atua no controle do ciclo de vida patrimonial, o que também facilita no controle de gastos da empresa.

Como é realizada essa gestão de maneira remota?

Em um cenário de trabalho remoto em que inúmeras organizações adotaram o modelo home office, realizar essa gestão demanda ferramentas mais eficazes. Atualmente existem softwares de gestão patrimonial específicos que tornam o processo operacional muito mais fluido, diminuindo consideravelmente a incidência de erros.

Dentre as principais vantagens, estão:

Centralização e diminuição no extravio de dados

A dispersão de informações é um dos principais problemas no momento de realizar a gestão de ativos imobilizados, por isso, ter um sistema que unifique as informações é essencial, diminuindo ao máximo a perda de informações importantes.

Fiscalização do patrimônio a qualquer momento

Softwares, por meio do recurso do armazenamento em nuvem, facilitam o acompanhamento das informações atualizadas em tempo real, o que também leva ao ganho de tempo.

Menor taxa de retrabalho

Se tem algo que atormenta a gestão de uma empresa é o retrabalho e quando o acompanhamento das informações não é realizado de forma eficaz através de um software, por exemplo, é comum que sejam geradas informações duplicadas, o que gera confusão e dor de cabeça para a gestão do negócio.

Não adie a busca por ajuda

A gestão de ativos imobilizados demanda tarefas e disciplina, e muitas empresas enfrentam problemas justamente por não darem a devida atenção a esse controle. É essencial contar com um bom inventário físico.

Quando se fala em evitar fraudes, o controle de ativo imobilizado é importante para barrar perdas em casos de furtos, assim como a revisão frequente evita o desvio de bens. Ter essa boa gestão favorece a organização, inclusive, a obter aprovação de crédito junto a instituições financeiras.

Ao perceber que a área de ativos imobilizados precisa de ajuda, não procrastine contatar um profissional especializado.

Muitos empreendedores brasileiros têm uma cultura de esperar ao máximo antes de obter um direcionamento estratégico profissional, e esse comportamento só coloca em risco o negócio.

Quando a empresa necessita de apoio, peça auxílio, não espere chegar a um ponto mais crítico.

 

Gostou do conteúdo? Compartilhe. Lembre-se que na MORCONE Consultoria Empresarial pensamos em cada parte do seu negócio, utilizando metodologias e práticas inteligentes.

Veja também:

Fatores que atrapalham a sucessão em empresas familiares

Pesquisa mostra que 43% das pequenas indústrias no Brasil têm capital de giro insuficiente