O termo ESG ganhou força no período pandêmico, a preocupação com o meio ambiente, questões sociais e governança tem regido empresas no mundo todo e ganhado cada vez mais destaque no Brasil.

Com mais de 35 anos no mundo corporativo e desde 2015 à frente da MORCONE Consultoria Empresarial, hoje trago um artigo sobre o avanço no investimento em ações ESG.

Os critérios ESG têm sido cada vez mais priorizados por investidores, prova disso, é a pesquisa recente realizada pela Bloomberg, que estima que a agenda ESG deve atrair US$53 trilhões em 2025, o equivalente a um terço dos ativos de investimentos.

O ESG se tornou um pré-requisito fundamental para o mercado competitivo e a tendência é a de que até o final desta década se torne um padrão entre empresas do mundo inteiro.

Investimento em ações ESG – Maior estabilidade?

Atualmente investidores têm avaliado outros fatores além de lucros, receitas, dívidas e passivos, isso porque critérios ESG se tornaram demanda mundial. Especialistas apontam que negócios que adotam a pauta ESG seriam mais ‘resilientes’ em momentos de crise.

Em meio à crise de Covid-19, grande parte das maiores empresas do mundo que seguem práticas ESG tiveram melhor desenvoltura no mercado, apesar da volatilidade.

Além disso, organizações que adotam boas práticas de ESG têm menor probabilidade de riscos devido a problemas jurídicos, trabalhistas, fraudes ou consequências devido a impactos ao meio ambiente.

Dentre as principais empresas que adotam as boas práticas de ESG e que têm atraído cada vez mais investidores, estão:

  • Banco Santander (SANB3);
  • Natura Cosméticos S.A. (NTCO3);
  • Lojas Renner S.A. (LREN3);
  • Localiza Hertz S. A. (RENT3);
  • Itaú Unibanco S.A. (ITUB4);
  • WEG Motores S.A. (WEGE3);
  • Suzano S.A. (SUZB3);
  • Banco Bradesco S.A. (BBDC4).

Grande parte das gestoras de investimentos têm se comprometido a tornar filtros ESG obrigatórios e cada vez mais empresas têm olhado para métricas de emissão de carbono, diversidade de gênero e raça em seu quadro de funcionários e matérias-primas utilizadas em seus produtos e serviços.

Dentre as principais razões de maior interesse por parte das gestoras está o fato de que em 2020, 95% dos índices de sustentabilidade tiveram melhor performance do que os índices de bolsas que não adotam esses critérios.

O mercado está mudando e novas demandas estão ditando o comportamento e a visão por parte dos investidores.

A B3 decidiu reestruturar os índices ISE B3 (Índice de Sustentabilidade Empresarial) e ICO2 B3 (Índice de Carbono Eficiente) para torná-los mais atrativos ao investidor, além disso, anunciou parceria com a Standard & Poor’s (S&P) e criou o índice S&P/B3 Brazil ESG. Essa parceria tem como intuito lançar um índice ESG com as empresas listadas no mercado brasileiro.

Por que o ESG atrai tanto a valorização do mercado?

O mercado financeiro voltou os olhos para o critério ESG e isso por uma razão simples, por conta da avaliação de empresas e investimentos estar pautada na responsabilidade com o meio ambiente e com a sociedade.

Empresas buscam ser mais eficientes e perenes quando praticam o ESG, além disso, também demonstram maior confiabilidade no mercado e segurança aos investidores.

Dentre os fatores fundamentais para que negócios adotem o ESG, estão:

  • Crise e mudanças climáticas;
  • Impactos do desmatamento.
  • Busca pela eficiência energética;
  • Ameaça às espécies em extinção;
  • Ameaças de infrações aos direitos dos funcionários;
  • Pandemia de Covid-19.

O investimento em ações ESG trazem importantes benefícios, como:

  • Preocupação com o meio ambiente e questões ambientais é uma tendência mundial;
  • Investimentos são mais seguros à medida que empresas que adotam o ESG praticam a responsabilidade empresarial;
  • Maiores possibilidades de realizar lucros ou manter ativos em casos de melhor posicionamento no mercado de ações.

Colocando o ESG em prática!

Será preciso cada vez mais repensar as práticas no mercado e organizações que adotam critérios ESG, precisam se atentar a particularidades em cada fator.

Meio Ambiente

Quais ações a sua empresa adota para conter as mudanças climáticas e emissão de carbono? Recursos naturais são utilizados? Há preocupação quanto ao descarte de resíduos?

Dependendo do segmento de atuação, não é possível eliminar o impacto ao meio ambiente, mas, por outro lado, é avaliado pelos investidores se o negócio tem adotado medidas para amenizar os efeitos de sua atuação.

Impactos sociais

O quanto sua empresa está ligada a ações de desenvolvimento da saúde, segurança e diversidade entre a própria equipe?

Além disso, é avaliado pelos públicos externos o quanto a empresa está comprometida com ações sociais que visam o impacto positivo.

As maiores empresas globais praticam ações de impacto social e são reconhecidas por isso, mas vale salientar que esse comportamento está inserido na cultura da empresa.

Governança

Uma empresa que atende ao ESG lida de maneira saudável com os seus acionistas. As pautas referentes ao meio ambiente e desenvolvimento social são prioritárias e também devem nortear a tomada de decisões do negócio.

A transparência é um dos pilares mais importantes entre as organizações, que se refere ao compartilhamento de informações com o público e mercado financeiro. É fundamental que a empresa esteja ‘blindada’ contra fraudes e escândalos e contar com uma boa governança é um fator imprescindível para isso.

Para concluir, vale a ressalva de que o investimento em ações ESG também contribui com o Brasil e o mundo, já que são empresas que estão pautadas no desafio de gerar menor impacto ao meio ambiente e impactos positivos na sociedade.

Esse já é um critério de investimento para você?

 

Gostou do conteúdo? Compartilhe. Lembre-se que na MORCONE Consultoria Empresarial pensamos em cada parte do seu negócio, utilizando metodologias e práticas inteligentes.

Veja também:

ESG impacta empresas a maior responsabilidade social

Significado de ESG na prática de por que impacta o mundo