Quando o ESG se tornou o assunto do momento no mundo, inclusive no Brasil no período da pandemia, alguns especialistas mais radicais diziam que essa era só uma onda e que não ia durar muito tempo.

Alguns chegaram a dizer que a ideia do ESG era priorizar o bem-estar da sociedade e dos stakeholders (partes interessadas) em vez da própria saúde financeira, entre muitas outras afirmações radicais ou superficiais.

Mas apesar da moda do ESG ter pegado no mundo, não é modismo e milhares de empresas no Brasil e no mundo têm mostrado que adotar essas práticas no dia a dia têm impactado o mercado, sociedade e comportamento de consumo em uma velocidade cada vez maior.

Com minha ampla experiência mercado corporativo, atuando como conselheiro de administração e sendo um especialista em ESG, orientando empresas brasileiras por meio da MORCONE Consultoria Empresarial, hoje o assunto é mitos e verdades sobre práticas ESG.

Em tempos de mudanças ágeis e complexas, a incorporação de práticas de sustentabilidade ambiental, inclusão social e de governança no ambiente corporativo (ESG – em português Meio Ambiente, Social e Governança), são fundamentais para que empresas sejam bem-sucedidas.

Mitos e verdades sobre as práticas ESG nas empresas

Vamos às principais ‘trends’ quando o assunto é ESG?

Pequenas empresas não precisam se preocupar com o ESG

Mito! E dos grandes! É óbvio que há diferenças estruturais e de processos entre empresas pequenas, médias e grandes, mas em comum compartilham de objetivos de crescimento, de visibilidade maior no mercado, etc.

As práticas ESG podem e devem ser adotadas nas EPPs e cada vez mais empresas pequenas têm adotado agendas com base nas ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável), trazendo para a sua realidade a discussão sobre importantes temas como a igualdade de gêneros e salários, consumo e produção responsáveis, ações de impacto ambiental, etc. Essa já é boa maneira de se adaptar às práticas ESG.

Além disso, temos ótimos exemplos de empresas brasileiras que são referência no tema como é o caso da Natura, que se tornou uma referência nacional e global, impactando também pequenas e médias empresas a estarem alinhadas a essa demanda ESG que veio para ficar.

Recentemente a empresa brasileira Dori Alimentos, uma das maiores empresas de snacks do Brasil, conseguiu captar R$200 milhões com títulos atrelados a metas ESG.

Atendo inúmeras empresas que têm adotado o ESG em suas pautas e que já conseguem ver os resultados disso nas respostas que recebem de suas ações no mercado.

Práticas ESG nas empresas favorecem a fidelização de clientes

Verdade! Estudo realizado pela First Insight, publicado no início de 2020 mostrou que a geração Z (nascidos entre 1995 e 2010) está tomando suas decisões de compras com base em práticas sustentáveis de varejo em comparação a outras gerações.

Já uma pesquisa desenvolvida pela McKinsey antes da pandemia, mostrou que os clientes afirmam que estão dispostos a pagar para se tornarem ecológicos e 70% dos consumidores de diversos setores afirmaram que estavam dispostos a pagar 5% a mais por um produto “verde”, se atendesse aos mesmos padrões de desempenho de um produto convencional.

O comportamento mais consciente do consumidor tem impactado diretamente no consumo e pessoas estão cada vez mais atentas a como as empresas impactam o meio ambiente, a como tratam suas pessoas e no que acreditam.

Melhora no desempenho financeiro e aumenta confiança do investidor

Verdade! Um estudo também da McKinsey já mostrou que as práticas ESG nas empresas ajudam no combate ao aumento das despesas, o que afeta os lucros operacionais em até 60%.

Adotar o ESG impacta positivamente a gestão financeira da empresa e também beneficia o investidor que direciona recursos para esses negócios e projetos.

Cada vez mais investidores têm buscado por organizações referência em ESG que também demonstram maior confiabilidade no mercado.

ESG só é eficiente no mercado financeiro

Mito! É óbvio que estratégias e demandas por investimentos que sejam sustentáveis sejam mais intensos em mercados de capitais, que, inclusive, têm sido fundamentais para o fortalecimento desse conceito ESG no mundo. Mas hoje, a adoção de práticas ESG nas empresas é necessária em qualquer segmento, seja qual for o porte do negócio.

ESG é uma moda que já já passa!

Mito! E talvez um dos grandes momentos que derrubou ou ao menos mostrou que o ESG é uma realidade que impacta o mundo corporativo, foi quando a americana BlackRock, um dos maiores fundos de investimentos do mundo, com mais de US$ 7 trilhões em ativos, anunciou que deixaria de investir em organizações que não tivessem projetos sustentáveis.

A China também trouxe impactos ao declarar que sua meta no mundo era deixar de emitir dióxido de carbono na atmosfera até 2060, demonstrando a sua postura voltada a uma economia sustentável.

Adotar práticas ESG custa caro

Mito! O relatório da consultoria Morningstar mostrou que, mesmo em meio à pandemia, organizações que investiram mais em ESG tiveram os melhores resultados em comparação àquelas que optaram por outras estratégias.

O ESG é um investimento como qualquer outro em uma empresa e que podem gerar resultados variáveis, porém é a escolha das melhores estratégias que faz com que centenas de marcas sejam as mais bem-sucedidas no mercado.

O que costumo dizer aos meus clientes é que o primeiro investimento que se faz em ESG é conhecer este conceito e libertar a mente de ideias distorcidas.

ESG fortalece a imagem da empresa

Verdade! Empresas que adotam práticas ESG se tornam mais fortalecidas no mercado, desde quando são as que mais atraem investidores até serem as marcas mais admiradas e consumidas pelos clientes.

Vale lembrar que os clientes não compram só os produtos ou serviços, mas compram a história por trás da marca!

Na prática dos meus atendimentos, acompanho a evolução de empresas que passam a atrair mais a atenção do público externo por conta de uma mudança de estratégia e até cultural.

ESG é uma prática restrita aos mais jovens

Mito! Uma pesquisa realizada pelo instituto Morgan Stanley, mostrava que em 2019, enquanto 95% dos investidores com menos de 40 anos de idade mostravam interesse em investir em meios sustentáveis, essa taxa era de 85% entre as demais faixas etárias.

Mas a demanda não se explica por conta da faixa etária. O mundo todo está caminhando nessa mesma trilha sustentável.

ESG demanda mudança de mentalidade e cultura

Verdade! As pautas ESG precisam começar na cultura da empresa e nos valores que ela compartilha.

Costumo trabalhar muito essa mudança de pensamento entre as empresas que atendo e há casos em que precisam acontecer grandes mudanças. Nunca é algo fácil para uma empresa mudar, mas é necessário.

Muitos negócios ainda acreditam que o ESG é só uma moda. Mas é uma moda que veio para ficar.

 

Gostou do conteúdo? Compartilhe. Lembre-se que na MORCONE Consultoria Empresarial pensamos em cada parte do seu negócio, utilizando metodologias e práticas inteligentes.

Veja também:

Principais problemas financeiros entre empresas de pequeno porte. Por onde começar a resolver?

Pais e filhos – quando a relação familiar interfere na relação profissional